Pesquisar este blog

22/06/2009

Erasmo de Rotterdam


Desiderius Erasmus Roterodamus, conhecido como Erasmo de Roterdão (português europeu) ou Roterdã (português brasileiro) (27 de Outubro de 1466 Roterdão12 de Julho de 1536, Basiléia) foi um teólogo e um humanista neerlandês. Ele nasceu em Geert Geertsen, em Roterdão, Holanda do Sul, Países Baixos
Aos onze anos de idade, Erasmo já lia perfeitamente Horácio e Terêncio. Tendo perdido os pais ainda muito jovem, o seu tutor internou-o no convento de Stein, onde Erasmo, desgostoso, entregou-se apaixonadamente aos estudos. Cursou o seminário com os monges agostinianos e realizou os votos monásticos aos 25 anos, aproximadamente.
Tinha apenas vinte anos quando escreveu sua primeira obra: O Desprezo do Mundo. Em seguida publicou um discurso intitulado O Bem da Paz.
Esses dois trabalhos logo se tornaram muito conhecidos e celebrizaram o seu autor.

Na Itália, Erasmo travou relações com os homens mais famosos da época.
Conheceu cardeais e papas, entre estes Júlio II. Esteve em seguida, em Veneza, com Aldo Manuzio;depois, em Pádua, onde foi preceptor do filho bastardo de James Stuart; mais tarde tornou à inglaterra, onde teve em Thomas More um dos seus melhores amigos.

O Elogio da Loucura (Encomium Moriae), foi publicado em Paris em 1509. É uma sátira extraordinariamente interessante, na qual os potentados da época e sobretudo os homens da Igreja são impiedosamente escalpelados pela ironia incomparável do grande escritor.
Sempre inquieto e insatisfeito, percorreu Erasmo vários países, até se instalar definitivamente na Basiléia, onde morreu aos setentas anos de idade, no dia 11 de julho de 1536.

Citações de Erasmo de Rotterdam

"Não há nada de tão absurdo que o hábito não torne aceitável."

"Rir de tudo é coisa de tontos, não rir de nada é coisa de estúpido."

"O amor recíproco entre quem aprende e quem ensina é o primeiro e mais importante degrau para se chegar ao conhecimento."

"A pior das loucuras é, sem dúvida, tentar ser sensato em um mundo de loucos."

"Os grandes escritores nunca foram feitos para suportar a lei dos gramáticos, mas sim para impor a sua"

"Aquele que conhece a arte de viver consigo próprio ignora o aborrecimento."

"Nenhum animal é mais calamitoso do que o homem, pela simples razão de que todos se contentam com os limites da sua natureza, ao passo apenas o homem se obstina em ultrapassar os limites da sua."

"Cada momento da vida seria triste, fastidioso, insípido, aborrecido, se não houvesse prazer, se não fosse animado pelo tempero da Loucura."

20/06/2009

Dança e Música


O impulso de expressar as próprias emoções ou de recriar a si mesmo ou ao outro através da dança é algo de instintivo e universal. Toda uma enorme gama de sensações-expostas cruamente ou sublimadas por meio de símbolos – pode ser veiculada através do ato de dançar.E, como se sabe, desde os primórdios da humanidade essa utilização do corpo como forma de extroverter sentimentos sempre esteve intimamente relacionada com a música – uma outra linguagem criada pelo homem para poder abarcar mais amplamente o universo.
No Ocidente, a dança como forma de espetáculo – e não mais apenas como meio de a coletividade se pôr em contato consigo mesma –desenvolveu-se grandemente sob a designação de balé. Um de seus principais pontos de origem foi a França do século XVII-mais precisamente o período do Reinado de Luís XIV(1643-1715).
O rei, ele mesmo bailarino, fundou uma academia de danças.
Bem mais tarde, já durante o Romantismo- no início do século XIX, portanto – o balé passou a ser narrativo, contando histórias inteiras através da dança. Mas essa arte era encarada como um “divertimento menor”. Basta dizer que nenhum grande compositor do período romântico (à exceção do revolucionário Beethoven de As Criaturas de Prometeu dignou-se escrever para o balé.E as dança, assim era acompanhada de trechos preexistentes ou, então ,de partituras em nenhum valor musical.

Tchaikovisky foi um dos primeiros compositores verdadeiramente sérios que, em meio ao preconceito geral, resolveram escrever especialmente para o balé. Ele mesmo dizia: ”Que importa que seja um ritmo de dança?.Existe algum mal em compor música de balé?(...).E a partir dessa profissão de fé, nasceram não apenas os seus três longos balés- O Lago dos Cisnes, A Bela Adormecida e O Quebra –Nozes-, como também uma longa linhagem de músicos criativos.

O Lago dos Cisnes

Tchaikovsky vendeu a partitura de O Lago dos Cisnes por apenas 800 rublos - na época, quantia irrisória.O balé foi apresentado pela primeira vez em 1877 e exigiram que "Trechos de bravura" de outros compositores fosse nele incluídos.

A verdadeira criação - com a coreografia de Marius Petipa e Leon Ivanov que até hoje encanta platéias do mundo inteiro-dar-se-ia apenas em 1895, dois anos após a morte do compositor.
Balé em quatro atos com argumento de Begitchev e Gelster, O Lago dos Cisnes conta a história da Princesa Odete, que, tendo sido transformada em cisne, toma sua verdadeira forma em determinada noite.O Príncipe Siegfried apaixona-se por ela e deseja romper o encantamento, tomando-a por esposa durante o baile do rei. Mas Rothbart, o mágico, substitui Odete por sua própria filha , Odile. Enganado de início, Siegried acaba por descobrir o estrategema e dirige-se à floresta, a fim de encontrar Odete e declarar-lhe,uma vez mais, o seu amor. A princesa perdoa-lhe. Mas o lago é revolvido pelo mágico, afogando-os.

O Lago dos Cisnes (YouTube)







O Quebra- Nozes


O balé O Quebra-Nozes foi levado à cena, pela primeira vez, a 29 de dezembro de 1892 como um féerie-ballet em dois atos e três quadros. Coreografia e argumento de Marius Petipa, baseava-se na versão de Alexandre Dumas de L' Histoire d'un Casse-Noisette. Em uma noite de natal, a pequena Clara, tendo recebido de presente um quebra-nozes que representava a figura de um soldadinho, vê seu novo brinquedo ser quebrado pelo irmão. Por causa disso, a menina perde o sono e, à meia -noite, levanta-se e vai até a árvore de natal, a fim de vê-lo. Mas surpreende-se com a chegada dos ratos que vão lutar, em feroz batalha,contra todos os brinquedos. Durante a briga, Clara abate o rei dos ratos com seu chinelo. O quebra-nozes transforma-se, então, em príncipe encantado e transporta Clara para Confituremburg, o reino dos doces. Lá, são recebidos pela Fada Açucarada(para evocá-la, Tchaikovsky utiliza pela primeira vez a celesta,até então desconhecida na Rússia), cujos súditos dançam em sua homenagem. Depois várias danças exóticas, a Valsa das Flores encerra o balé.

O Quebra- Nozes (YouTube)







16/06/2009

Giovanni Bellini - Il Giambellino - Rinascimento Italiano


Giovanni Bellini (Venezia, 1430 circa Venezia, 1516) è stato un pittore italiano, uno dei più celebri del Rinascimento, famoso anche con il nome Giambellino.
Molti dipinti dellartista trattano episodi della vita di Gesù, il tema più frequente è quello della crocifissione, rappresentata a volte con la Madonna e San Giovanni ai piedi della croce.

Le figure, gli elementi vegetali, animali e paesaggistici assumono molto spesso una valenza simbolica ben codificata.
dipinti devozionali con Madonna e il Bambino da soli o accompagnati da santi di piccolo formato erano destinati generalmente ad una committenza privata.

Il loro significato non è banalmente un 'rapporto affettuoso madre/figlio' bensì più complesso e riassumibile nel preannuncio della Passione di Cristo.
Bellini coniuga il plasticismo metafisico di Piero della Francesca e il realismo umano di Antonello da Messina (non quello esasperato dei Fiamminghi) con la profondità cromatica tipica dei Veneti, aprendo la strada al cosiddetto "tonalismo" veneto. Viene inoltre influenzato dal cognato Andrea Mantegna, che lo fa entrare in contatto con le innovazioni del Rinascimento fiorentino. Sempre Mantegna, con cui ha modo di lavorare a contatto nel soggiorno padovano, lo influenza nell'espressività dei volti e nella forza emotiva che trasmettono i paesaggi sullo sfondo. A Padova, Bellini conosce inoltre la scultura di Donatello, che in questo periodo imprime una carica espressionistica alla sua opera (vedi S. Maddalena), avvicinandosi ad uno stile più vicino all'ambiente del Nord. Bellini porta quindi grandi innovazioni nella pittura veneziana, quando il padre Jacopo e il fratello Gentile erano ancora legati alla ieracità bizantina, e al tardo gotico che a Venezia, nell'architettura, inizia a tramontare solo a partire dal 1470.

mais fotos

Tiziano Vecellio - Titian Paintings



Tiziano Vecelli or Tiziano Vecellio (c. 1485 August 27, 1576), better known as Titian, was the leading painter of the 16th-century Venetian school of the Italian Renaissance. He was born in Pieve di Cadore, near Belluno (in Veneto), in the Republic of Venice. During his lifetime he was often called Da Cadore, taken from the place of his birth.

Recognized by his contemporaries as "the sun amidst small stars" (recalling the famous final line of Dante's Paradiso), Titian was one of the most versatile of Italian painters, equally adept with portraits and landscapes (two genres that first brought him fame), mythological and religious subjects. His painting methods, particularly in the application and use of color, would exercise a profound influence not only on painters of the Italian Renaissance, but on future generations of Western art.[1]

During the course of his long life Titian's artistic manner changed drastically[2] but he retained a lifelong interest in colour. Although his mature works may not contain the vivid, luminous tints of his early pieces, their loose brushwork and subtlety of polychromatic modulations are without precedent in the history of Western art.

Tiziano Vecellio ou Vecelli (Pieve di Cadore cerca de 1490 - Veneza 27 de Agosto de 1576) foi um dos principais representantes da escola veneziana no Renascimento antecipando diversas características do Barroco e até do Modernismo. Ele também é conhecido como Tizian Vecellio De Gregorio, Ticiano, Titian ou ainda como Titien.

Reconhecido por seus contemporâneos como "o sol entre as estrelas", Tiziano foi um dos mais versáteis pintores italianos, igualmente bom em retratos ou paisagens, temas mitológicos ou religiosos.

Se tivesse morrido cedo, teria sido conhecido como um dos mais influentes artistas do seu tempo, mas como viveu quase um século, mudando tão drasticamente seu modo de pintar, vários críticos demoram a acreditar se tratar do mesmo artista. O que une as duas partes de sua obra é seu profundo interesse pela cor, sua modulação policromática é sem precedentes na arte ocidental.

Music: Ennio Morricone ( Deborah's Theme )
Video by Gil Carósio

Honors for this video (1) 05-10-08

mais fotos

Georges Seurat (1859-1891) - Can-Can


mais fotos