Pesquisar este blog

26/06/2010

Edino Krieger - Orquestra de Câmara Villa-Lobos



Edino Krieger (Brusque, Santa Catarina, 17 de março de 1928) é um compositor brasileiro.

Aos sete anos seu pai começou a instruí-lo em violino, em com 14 anos deu um concerto em Florianópolis que lhe valeu uma bolsa de estudos do governo do estado, transferindo-se para o Rio de Janeiro. Ali ingressou no Conservatório Brasileiro de Música, tendo aulas de contraponto, harmonia e composição com Hans-Joachim Koellreutter, ao mesmo tempo em que se aperfeiçoava no violino com Edith Reis, na Escola Lambert Ribeiro.

Com pouco mais de um ano de estudos já fazia progressos tão brilhantes que recebeu em 1945 o Prêmio Música Viva por um Trio de Sopros, e a partir desta data passou a aprofundar seu envolvimento com o dodecafonismo e integrar o Grupo Música Viva de compositores de vanguarda, ao lado de Koellreutter, Claudio Santoro, Guerra-Peixe e Eunice Catunda. Em 1948 foi selecionado para estudar no Berkshire Music Center, de Massachussets, tendo na banca examinadora Aaron Copland, Henry Cowell, Gilbert Chase e Carleton Sprague Smith, e onde foi aluno de Darius Milhaud. Em seguida estagiou por um ano na Juilliard School of Music de Nova Iorque, na classe de composição de Peter Mennin. Estudou também violino com William Nowinsky, assistente de Ivan Galamian, na Henry Street Settlement School of Music. Representou a Juilliard no Simpósio de Compositores dos Estados Unidos e Canadá realizado em Boston, tendo executada sua obra Música de Câmara para flauta, trompete, violino e tímpanos, e atuou como violinista da Mozart Orchestra de Nova Iorque. Sua temporada nos Estados Unidos fez com que progressivamente se afastasse do dodecafonismo.

Voltou ao Brasil em 1949, passando a procurar uma ocupação estável. De início trabalhou com terapia musical no Hospital do Engenho de Dentro, e depois ingressou nos quadros da Rádio MEC. Também nesta época colaborou com a Rádio Roquette Pinto e o jornal Tribuna da Imprensa, como crítico. Em 1952 teve aulas com Ernest Krenek, e logo mudou-se para Londres para continuar seus estudos de composição com Lennox Berkeley. Em 1955 obteve o Prêmio Internacional da Paz do Festival de Varsóvia e o Prêmio da Fundação Rottelini de Roma. Retornando ao Brasil, reassumiu seu posto na Rádio MEC, onde foi indicado Diretor Musical e regente assistente da orquestra da rádio.

Em 1959 conquistou o prêmio maior do I Concurso Nacional de Composição do Ministério da Educação, com o Divertimento para Cordas, e foi agraciado com a Medalha de Honra do Cinqüentenário do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Em 1961 seuQuarteto de Cordas nº 1 obteve o Prêmio Nacional do Disco. Em 1968 recebeu o Troféu Golfinho de Ouro pelo conjunto de sua obra, o que se repetiu em 1988. Em 1976 foi indicado Diretor Artístico da FUNTERJ - Fundação de Teatros do Rio de Janeiro, organizando a temporada de reabertura do Teatro Municipal e o Centro de Produções Teatrais de Inhaúma. Em 1979 criou o Projeto Memória Musical Brasileira junto ao Instituto Nacional de Arte.

Na década de 80 recebeu vários prêmios e honrarias, como o título de Cidadão Emérito do estado do Rio de Janeiro (1982), uma condecoração do governo da Polônia em 1984, a Medalha Anita Garibaldi de Santa Catarina (1986), o Prêmio Shell de Música (1987) e foi patrono de um concurso de piano em sua cidade natal. Entre 1981 e 1989 dirigiu o Instituto Nacional de Música da FUNARTE, fundação também presidida por ele de 1989 até 1990, data de sua extinção, e de 2003 a 2006 exerceu a Presidência da Fundação Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro. É Presidente da Academia Brasileira de Música, tendo sido eleito por unanimidade.

Origem: Wikipédia


01 Choro, para flauta e cordas (1952)

02 Sonâncias III, para violino e cordas (1998)

03 Brasiliana, para viola e cordas (1960)

04 Andante, para cordas (1956)

Três Imagens de Nova Friburgo, para cordas e cravo obbligato (1988)
05 I. Nevoeiros
06 II. Corredeiras
07 III. Montanhas

Divertimento, para cordas (1959)
08 I. Allegretto
09 II. Seresta (Homenagem a Villa-Lobos)
10 III. Variações e Presto

Luis Fernando Sieciechowcz, flauta
Cláudio Cruz, violino
Horácio Schaefer, viola
Estela J. Almeida Rosa, cravo
Orquestra de Câmara Villa-Lobos

Download aqui

Nenhum comentário:

Postar um comentário